Protetor solar Físico x Químico: qual a diferença?

Foto: Desenio

Na hora de escolher um PROTETOR SOLAR ideal para sua pele, muitas pessoas ainda ficam em dúvida sobre a diferença entre os filtros QUÍMICOS e FÍSICOS (ou minerais). Decidimos então pesquisar em diversos sites especializados, para trazer bem resumido para você as características, vantagens e desvantagens de cada um. Confira:
☀️ O protetor solar químico é aquele que encontramos com maior facilidade nas farmácias e lojas de cosméticos. Ele é composto por ingredientes químicos como a Oxibenzona, o Octinoxato e o Homossalato, que penetram nas camadas superficiais da pele e absorvem os raios UV, reagindo com os mesmos e dissipando-os na forma de calor. Isso significa que a pele fica protegida pois os raios UV não chegam a atingi-la, sendo antes dissipados pelo protetor.
☀️ Já o protetor físico tem como principal ingrediente os MINERAIS ATIVOS, como o Óxido de Zinco e o Dióxido de Titânio. Esse tipo de protetor não penetra na pele, pois atua apenas na superfície, criando uma barreira de proteção que reflete os raios UV.

Fonte: Dermaessentia.com

PRÓS E CONTRAS DOS FILTROS QUÍMICOS

👍🏼 PRÓS:

  • Os filtros químicos tem uma consistência mais fina e fluida, e por isso se espalham melhor na pele, sendo assim mais fáceis de usar no dia-a-dia.
  • Maior rendimento, pois apenas uma pequena quantidade de produto já protege uma grande área da pele.
  • Sua fórmula que se adapta melhor a ingredientes adicionais, como peptídeos e enzimas, trazendo assim outros benefícios para a pele.

👎 CONTRAS:

  • Por transformarem os raios UV em CALOR, esse tipo de protetor pode levar a um aumento nas manchas escuras, que são intensificadas quando a pele se aquece demais. Isso ocasiona também o aumento de vermelhidão para aquelas pessoas que sofrem de rosácea.
  • O filtro químico precisa de um período de no mínimo 10 minutos após a aplicação para começar a funcionar. Por isso, não adianta aplicar somente quando chega a praia, ok?
  • Esse tipo de produto aumenta a chance de irritações e ardor, especialmente para aquelas pessoas com pele seca e sensível. Isso acontece devido à multiplicidade de ingredientes que são combinados, para que se chegue a uma proteção UVA e UVB ideal, e ao fato do produto ser completamente absorvido pelas camadas superficiais da pele.
  • Existe uma crescente preocupação em relação à oxibenzona (presente em grande parte dos filtros químicos) interferir no funcionamento dos hormônios, e causar alergias. Diversos estudos estão sendo realizados a respeito, e alguns países como a Suécia já baniram completamente o uso do ingrediente. No entanto, a Academia Americana de Dermatologia e o FDA afirmam que a oxibenzona é segura em concentrações abaixo de 6% na lista de ingredientes. Por isso, vale ficar sempre de olho na embalagem do seu protetor!

PRÓS E CONTRAS DOS FILTROS FÍSICOS (ou minerais)

👍🏼 PRÓS:

  • A proteção UV dos filtros físicos é imediata, ou seja, começa a funcionar assim que o produto é aplicado, diferentemente dos filtros químicos que precisam de um período para serem absorvidos.
  • Sua durabilidade, em contato com a luz solar, é maior que a dos filtros químicos. No entanto, isso muda caso a pessoa faça atividades físicas que gerem suor ou molhem a pele, pois nesse caso, a barreira do filtro ficará comprometida; precisando assim ser reaplicado.
  • É o melhor filtro para peles sensíveis, pois não é absorvido, e assim não causa reações alérgicas.
  • Também é o mais indicado para peles com rosácea e vermelhidão, condições que são ativadas com o calor; uma vez que os minerais REFLETEM os raios e o calor do sol; impedindo que eles entrem em contato com as camadas superficiais da pele.
  • Não penetra tanto nos poros como os filtros químicos, sendo assim recomendado para peles com tendência a acne.

👎 CONTRAS:

  • O filtro mineral deve ser aplicado mais frequentemente, caso você esfregue muito a pele, sue ou se molhe.
  • Ele pode deixar uma película com aspecto esbranquiçado na pele, não ficando assim tão natural no rosto.
  • Pode ser muito pesado e opaco para ser usado no dia-a-dia e com maquiagem.
  • Tende a ter uma fórmula menos fluida, o que demanda um trabalho maior na hora da aplicação.
  • Alguns filtros desse tipo tendem a deixar pequenas manchas brancas nas roupas, quando em contato com o suor ou a água.
  • Sua aplicação deve ser mais generosa e cuidadosa, para assegurar a proteção completa contra os raios UV.

Fonte: Environmental Working Group; Academia Americana de Dermatologia, Piedmont.org 

Seguir:
Partilhar:

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *